sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Nos Mínimos Detalhes



E aí galerinha ligada no blog da Liga Arena, eu sou o Danilo (Kanno para os íntimos) juiz de mtg e você não deve estar habituado a me ver nos posts do blog já que é a primeira vez que eu estou escrevendo aqui (:v)! Hoje nós vamos falar um pouquinho de regras de magic e entender mais a fundo uma regra essencial pra todo mundo que quer melhorar as tomadas de decisão durante suas partidas. O tema de hoje é Prioridade!

Bem, prioridade é uma engine que basicamente faz o magic ser esse jogo tão bem feito que é. Prioridade está em todo lugar, basicamente o turno de magic é feito de ações encadeadas entre os players e o “timing” que eles têm pra fazer isso se chama prioridade. Vamos dar uma conferida no que o CR (Comprehensive Rules) diz sobre prioridade.

Das 165 vezes que prioridade é citada nas Comprehensive Rules, essa é a definição:

116.1. A não ser que uma mágica ou habilidade instrua um jogador a fazer uma ação, qual jogador pode fazer ações é determinado por um sistema de prioridade. O jogador com prioridade pode conjurar mágicas, ativar habilidades e fazer ações especiais.

Em outras palavras, no magic, é bem definido qual é o jogador que pode fazer uma ação antes do outro. Não está claro o suficiente? Vamos ver um exemplo pra esclarecer as coisas.


Como vocês podem ver, o Jace é um planeswalker que entra com 3 marcadores de lealdade e todos aqui sabemos que mágicas e habilidades que causam dano diretamente à players podem ser redirecionadas para diminuir aquela quantidade de marcadores de lealdade de um planeswalker controlado por aquele jogador. Então vamos supor que Alberto conjure Jace, the Mind Sculptor e Nayan tenha um raio na mão. O Jace resolveu, então no momento a pilha está vazia. Existe algum jeito de Nayan matar o jace antes que ele ative o +2 olhando o topo de um jogador?

A resposta é: só depende de Alberto. Acontece que o sistema de prioridade segue a ordem Jogador Ativo>Jogador Não Ativo (APnAP para os íntimos) para determinar quem pode tomar ações. No caso, Jace resolveu e a pilha está vazia, como estamos no turno de Alberto, Alberto é o Jogador Ativo (AP) e portanto Alberto tem a prioridade para conjurar mágicas, ativar habilidades, fazer ações especiais. Até que Alberto tome uma ação ou decida que não quer mais tomar ações por hora, Nayan não pode fazer nada.

Vamos definir então (usando o CR) quando é que um jogador recebe prioridade. Tudo o que eu vou dizer está melhor explicado na seção 116.3, mas eu vou tentar resumir:

Nenhum jogador recebe prioridade durante a etapa de desvirar.
O jogador ativo (de quem é o turno) recebe a prioridade no início das etapas do turno logo após as Ações Baseadas em Turno ocorrerem (como compra do turno, declaração de atacantes).
O jogador ativo recebe a prioridade logo após uma mágica ou habilidade resolver
Se um jogador tem a prioridade quando ele conjura uma mágica, ativa uma habilidade ou toma uma ação especial, ele recebe a prioridade logo após isto.*
Se um jogador tem a prioridade e decide não tomar mais ações ele passa a prioridade para o outro jogador.

OBS: se todos os jogadores passam a prioridade sucessivamente, a mágica no topo da pilha resolve. Ainda, se a pilha estiver vazia, a fase do turno ou etapa em questão termina.

Bem, agora já podemos responder com certeza no nosso exemplo do Jace e o Raio que, a menos que Alberto passe a prioridade para Nayan ou tome uma ação, Nayan sequer pode conjurar o Raio.

Mas até agora tudo parece muito teórico e muito pouco disso parece aparecer durante uma partida de magic, afinal o sistema de prioridades parece ser muito mais orgânico que parece. Vamos ver uma consequência do sistema de prioridades que é muuuito relevante pra entender como as coisas funcionam no MTG.

Ações Baseadas em Estado (SBAs)

O sistema de prioridade está intimamente ligado ao estado do jogo em que estamos e, para isso, o jogo tem um sistema dependente das prioridades chamado Ações Baseadas em Estado (State Based Actions pra encurtar). As SBAs são responsáveis por verificar se está tudo ok com o estado de jogo, por exemplo se tem alguma criatura com dano letal marcado que precisa ser colocada no cemitério. Vamos dar uma olhadinha rápida num exemplo clássico da cozinha de casa começando a jogar Modern.


Vamos supor que eu controlo um Tarmogoyf e no meu cemitério tem uma Catacumbas Verdejantes (terreno) e um Confidente Sombrio (criatura). Neste caso o meu Goyf está 2|3. Meu oponente (Ricardo) está muito intimidado com meu Goyf e quer dar um jeito nele. Se Ricardo der Raio (mágica instantânea) no meu Goyf, a minha criatura morre?

Bem, conforme Raio resolve, 3 de dano é marcado a Tarmogoyf e sabemos que o último processo ao se resolver uma spell é colocá-la no cemitério (608.2k) então haverá um momento em que 3 de dano estará marcado no Tarmogoyf e haverá apenas 2 tipos de carta nos cemitérios. Mas isso é suficiente para que o goyf morra?

Segundo o CR:
302.7. (...) If the total damage marked on that creature is greater than or equal to its toughness, that creature has been dealt lethal damage and is destroyed as a state-based action (see rule 704). (...)

Então, para que a criatura seja destruída é necessário que uma criatura tenha dano letal marcado conforme uma ação baseada em estado. As ações baseadas em estado checam o estado do jogo toda vez que um jogador recebe a prioridade. Portanto, haverá sim um momento em que o goyf vai ter 3 de resistência e 3 de dano marcado, mas isso não é suficiente para que ele seja destruído, pois quando as SBAs checarem o estado de jogo, o Raio já está no cemitério fazendo com que o goyf seja 3|4.

Outros muito exemplos acontecem da mesma maneira, por exemplo: Master of Waves e Restoration Angel (tarefa pra vocês me dizerem o que acontece se eu tiver 5 fichas de elemental feitas pelo Master of Waves e blinkar ele com o Restoration!) 

Agora vou dar dois exemplos práticos de como abusar da prioridade e das SBAs pra fazer escolhas melhores durante as partidas!


Milagre é uma habilidade que lê:

Miracle (cost) (You may cast this card for its Miracle cost when you draw it if it's the first card you drew this turn.)

Como parar um terminus abusando que milagre é um trigger?
Bem, para que o jogador possa conjurar a sua mágica pagando o custo de milagre é necessário que a habilidade desencadeada do milagre resolva e note ainda que a carta à qual a habilidade se refere já foi comprada pelo jogador. Se, em resposta você resolver uma Vendilion Clique e escolher tirar a carta com milagre da mão do seu oponente ele não vai mais ter a carta pra conjurar conforme o trigger resolver.



Lingering Souls vs Grave Hate

Como já aprendemos em todo o conteúdo acima, é bem verdade que se você tiver uma Tormod’s Crypt na mesa e o seu oponente conjurar Lingering Souls, a mágica resolver e ele quiser conjurar o flashback não existe uma brecha pra você exilar Lingering Souls com sua Tormod’s Crypt uma vez que:
Seu oponente é o jogador ativo, então no início da fase principal ele tem a prioridade.
Ele conjura e a mágica resolve, agora a pilha está vazia e ele tem a prioridade.
Ele pode conjurar o flashback e como ele já moveu a mágica para a pilha não tem mais sentido exilar o cemitério, uma vez que a mágica já não está mais lá.

Mas existe um jeito que, com um counter e um grave hate, mesmo seu oponente tendo 5 manas disponíveis você consegue não deixar ele fazer nenhuma ficha. Pense um pouco e volte a ler o artigo quando achar que conseguiu!

Vamos voltar à situação em que você tem uma Tormod’s Crypt na mesa, um Counterspell na mão e uma fetch land na mesa, vamos supor Flooded Strand pra facilitar as coisas.
Seu oponente conjura Lingering Souls. Se você anular, voltamos para a situação anterior em que a pilha está vazia e ele vai ter a prioridade pra conjurar o flashback fazendo o seu grave hate completamente inútil. A trick aqui é você manter um efeito na pilha pra que o seu oponente não consiga conjurar um feitiço uma vez que a pilha não está vazia. Então vamos aos passos:

Seu oponente conjura Lingering Souls.
Em resposta a Lingering Souls, você estoura Flooded Strand.
Ainda retendo a prioridade (conforme *), antes de resolver a ativação da Flooded Strand, você usa Counterspell.
Counterspell resolve anulando Lingering Souls e colocando-a no cemitério.

Perceba que agora, temos a situação anterior: o jogador ativo (seu oponente, no caso) tem a prioridade uma vez que counterspell resolveu. No entanto, ele não pode conjurar o flashback de Lingering Souls uma vez que a pilha não está vazia pois ainda existe a habilidade ativada de Flooded Strand na pilha.

Agora basta que você use a habilidade de Tormod’s Crypt para exilar a Lingering Souls ainda antes da Flooded Strand Resolver e pronto! Nenhuma fichinha!

Este exemplo é especialmente bom de se conhecer uma vez que temos mágicas muito relevantes com flashback no modern (Lingering Souls e Past in Flames) e grave hates também eficientes (Nihil Spellbomb e Relic of Progenitus) e muitas vezes deixamos essas mágicas resolverem por não sabermos usar o timing das regras do jogo.

É isso pessoal, acabei estendendo demais o artigo que era pra ser mais sobre curiosidades mas acho que tem bastante material pra vocês pensarem. Qualquer dúvida me procurem no facebook ou qualquer coisa do gênero e bom jogo pra vocês!


Nenhum comentário:

Postar um comentário