quinta-feira, 15 de junho de 2017

Diário de Viagem: 9º RPTQ – Kyoto / Materlo News !

Aqui mais uma vez Julio De Biasi para falar de um dos formatos que eu mais tenho gostado nos últimos tempos, Limitado de Amonkhet

Bom, isso é bem mais um “o que aconteceu” do que um “Report” e/ou “mimimi” por não ter ficado no top8.

Antes de mais nada queria agradecer demais ao Marco Aurélio, parceiro de equipe por ter me acompanhado na viagem, e também participado no torneio, e principalmente pela conversa após o torneio, que me deixou bem tranquilo, ao invés de desapontado!

Domingo passado, 11/06, Marco Aurélio e eu, fomos jogar o RPTQ Kyoto, depois de muito tempo que classificamos, parecia uma eternidade para falar a verdade, e eu tinha me preparado bastante para esse torneio, jogando bastante Selado e Draft no Magic Online, assim como alguns drafts na Liga Arena, a loja que tem se sido minha patrocinadora nesse semestre!

Depois de todos os anúncios, registro de deck e já algumas estórias (o cara do meu lado tinha Glorybringer, Rhonas the Indomitable e Archfiend of Ifnir), vamos a minha pool.



Se assim como eu, vocês ficaram “caramba, um Deus branco foil”, realmente, é um “all-star” da pool, e não tinha do que reclamar, o engraçado é que no nosso grupo de conversa no torneio, entre 5 jogadores, tínhamos os 5 deuses. Depois as outras cartas importantes eram as remoções, e eu procurei, procurei, procurei, e não achei!!!!

As minhas remoções eram as seguintes :
1 Trial of Ambition
1 Splendid Agony
1 Start / Finish

E só, claro, eu tinha combat tricks e algumas outras coisas, como Essence Scatter, Cancel e Commit / Memory, assim como 2 Winds of Rebuke, mas isso está longe de ser remoção, eu queria era ter Magma Spray e Final Reward, mas enfim.

Ai depois de muito pensar na minha pool, analisar as minhas opções, eu acabei pensando que se eu não podia tirar as criaturas do caminho para atacar, e não tinha muitos tricks, eu poderia então lotar a mesa com os maiores bichos da minha pool, esperar o Deus branco e então ter mais permanentes em campo que meus oponentes, e como eu ia fazer isso? Simples, usando a combinação que sempre tem os maiores bichos.



O deck ficou assim no final, eu não tinha do que reclamar, tinha com certeza os maiores bichos, tinha uma carta que podia me dar alguma vantagem em “Mouth / Feed”, e era isso que eu tinha me determinado a fazer.

Mas isso não era o bastante, eu sabia que em algumas partidas eu infelizmente teria que mudar muito o meu deck, e acabei deixando preparado um deck BEM mais lento, com um plano BEM mais estranho, um BW que tinha Trial of Ambition + Cartouche of Solidarity, algumas sinergias com marcadores, e além de tudo, se tudo desse errado, ainda tinha uma WinCondition em forma de Aproximação do Segundo Sol.

E então o torneio, bom, com um pouco menos de 80 pessoas, seriam 7 rodadas pela frente, e eu sabia que tinha alguma chance com esses decks, poderia surpreender meus oponentes que provavelmente trocariam algumas cartas em seus decks após ver um monte de bichões e ficariam suscetíveis ao meu segundo deck!

Para não ficar falando muito do torneio, porque eu acho que pode ficar cansativo, eu ganhei a primeira rodada (meu oponente não achou a segunda cor no primeiro jogo) e na segunda rodada enfrentei o Isael Oliveira (que tinha um BG com Rhonas Liliana’s Mastery e o zumbi 5/4 ameaçar), ele acabou indo super bem fazendo top8. Na terceira rodada eu enfrentei um BR que me bateu até a morte com um Bonepicker, e que no segundo jogo não achou montanha mas achou florestas o suficiente para fazer uma Hydra 6/6 com embalsamar que sem remoções pontuais eu nunca consegui tirar da mesa.

Tive jogos muito interessantes depois disso, sabendo que eu tinha uma chance mínima de top8, eu decidi jogar com tudo, e isso deu resultados, meu GW começou a funcionar, o Deus branco começou a aparecer, e então até mesmo a troca de deck para BW deu resultado, na 6ª rodada eu fiz pela primeira vez segundo sol no turno 7, e 5 turnos depois, e dois reciclar, eu fiz o Segundo Sol pela segunda vez e ganhei.

Ironicamente, na ultima rodada, eu sabia que ganhar significava ficar apenas no top16, pois os slots do top8 seriam fechados com 16 pontos, e eu só conseguia fazer 15 =\, mas mesmo assim, fui com tudo, enfrentei um cara muito gente fina, cujo nome me falha agora, mas que tinha um Bant e fez Aproximação do Segundo Sol, e no ultimo turno eu quase o matei antes do Segundo Sol chegar,
levando ele a 2 de vida.
Acabei mudando para o BW, e meu oponente mudou para um RW não muito agressivo, pelo menos foi o que me pareceu, e eu acabei vencendendo fazendo Oketra, e no jogo 3 eu tinha uma mão inicial perfeita e curva, que conseguiu resolver até mesmo um Descanso Compulsório que tentava parar Oketra! Posso dizer sem duvida que foi o melhor jogo do torneio.

O resultado? Bom, eu fiquei em 9º como diz o titulo do artigo, fiquei feliz e triste com o resultado, não tinha muito o que fazer, torci para os conhecidos ganharem a vaga no draft Isael e Tutu, mas eles acabaram perdendo e ficando fora de Kyoto. =\



Minhas conclusões?

Realmente Selado de Amonkhet é sensacional, assim como Draft, que mesmo eu não tendo participado, me agrada muito, e sempre que posso jogo um online, fazendo as combinações mais estranhas! Selado ainda é definido pelas comuns e incomuns, e elas sim fazem toda a diferença.

Ri muito durante as rodadas quando meus oponentes percebiam que Watchers of the Dead era um Felino, e que ganhava +1/+1 e vinculo com a vida graças ao Regal Caracal!

Foi um torneio super competitivo e me senti “orgulhosi” de chegar numa posição assim, dentro do top16, garantindo uma box e um playmat, que sinceramente, achei sensacional!
E em uma ultima nota, só para não passar batido, ainda vou ter que dizer ao deck que estava jogando no final da temporada, é isso ai, no Standard tivemos MAIS UM BANIMENTO!
Mas esse já estava mais do que telegrafado, e na terça feira, Aetherworks Marvel foi finalmente banido!

Os motivos são óbvios, o deck era realmente consistente em fazer algo que não deveria fazer, Ulamogs no turno4, apesar disso não acontecer na probabilidade matemática como deveria, segundo o Frank Karsten é de apenas 9,4% dos jogos, mas ainda assim, ter 10% dos jogos acabando no turno 4 dentro do formato Padrão não é o que se espera.

Ainda acho que o maior problema sempre é  a questão do time de Pesquisa e Desenvolvimento fazer algo que faça você conjurar suas mágicas de forma recorrente sem gastar mana para tal, ou deixar você gastar mana de alguma outra forma, tivemos isso no bloco de Urza, no bloco de Scars of Mirrodin com mana phyrexiana, e agora Energia, eu acho a mecânica sensacional, e vou ficar triste quando ela partir do padrão e entrar praticamente no exilio, mas ter uma forma cíclica de conjurar mágicas sem pagar seu custo, e de forma tão consistente, realmente não estava certo.

Então é isso, tchau Marvel, e sinceramente, demorou para ir ! =P (mesmo eu jogando com o deck)

Espero ver vocês em uma mesa de Draft logo menos, e agora vamos torcer para o formato continuar sendo tão bom como é com a entrada de Hora da Devastação!

Obrigado galera! Valeu! :D




Nenhum comentário:

Postar um comentário