quinta-feira, 11 de maio de 2017

Histórias de Kamigawa - A Última Visitante


A história de hoje é a continuação da história do Jugan, que foi postada aqui mês passado. Ela se passa seis anos após o surgimento do Dragão Espírito em Fudaiju, e mostra o aparecimento de um novo grande kami que pretende colocar fim à guerra de uma vez por todas.


A Última Visitante

A luz do sol através da copa parecia dobrar sua pele pálida, fazendo a figura parecer partes iguais sombra e luz. As extremidades de seu vestido preto se fundiram nas árvores e arbustos ao redor, de modo que era impossível dizer onde ela terminava e a floresta começava. Pequenas esferas com superfície como a carapaça de um inseto balançavam no ar ao seu redor. Fora isso, nada se movia. Nenhum pássaro piava, nenhum animal corria pelos galhos próximos, nenhum vento se agitava. A figura aceitou o silêncio, acostumada ao temor que sua presença exigia.

O soar distante de um sino a fez erguer a máscara sem traços de rosto. Os chifres majestosos rasparam folhas dos ramos e os derrubaram para o chão da floresta. As esferas que a cercavam giravam e dançavam com expectativa.

Fudaiju. A figura sabia o significado do som. Claro que ela sabia, como sabiam todos de sua espécie. Era um pedido de ajuda da ordem mais antiga dos monges. Como responder à chamada durante tempos como esses, no entanto... foi uma pergunta sem uma resposta clara. Ela decidiu não fazer nada, pelo menos por um tempo.

E assim ela escutou o soar do sino, temporada após temporada, considerando suas ações com cuidado. Ela observava as folhas caírem e florescerem, a neve se acumulava e derretia. Todo o tempo, em contemplação. Durante seis anos, o sino tocou, incessante e triste. Durante seis anos, ela ponderou sua ação. E então, decidiu. Ela se moveu. Ela respondeu ao chamado de Fudaiju.


Hamano atacou com seu cajado bo. Uma lâmina de katana, flutuando no ar, parou o golpe. Hamano antecipou a defesa, e seu contra-ataque pegou o kami através de sua parede de espadas em uma bochecha. A coisa rugiu de surpresa, o som de uma centena de árvores rachando ao meio. A defesa do kami se rompeu e Hamano avançou. Seu bo bateu o lado da enorme cabeça do kami, então girou e bateu entre seus olhos. Hamano tentou não estremecer quando o rosto - rosto de uma bela donzela esculpida em madeira - gritou de dor. Mais dois golpes e o kami recuou vários passos de distância. Ele flutuava baixo até o chão, as raízes onde o pescoço da donzela deveria estar.

- Hamano! - chamou uma voz. - Muito longe, volte para o círculo!

Ele olhou rapidamente para ambos os lados, surpreso por ter perseguido o kami até agora. Hamano saltou, para trás, para se juntar a seus companheiros de armas.

Assim que retomou o seu lugar, o kami retomou o ataque. A boca delicada grunhiu com raiva enquanto as incontáveis katanas que o cercavam atacaram. Hamano girou o bastão. A energia verdejante derramou de seus olhos e envolveu-o como uma segunda pele.

Hamano aparou uma espada, Mas outra veio em sua direção. Ele se abaixou, sua lâmina tão perto que Hamano podia ouvi-la cortando o ar acima dele. O kami avançou lentamente atrás de sua cortina de espadas, seu rosto elegante torcido em uma máscara de ódio. Hamano concentrou-se nas espadas giratórias que atacavam de todas as direções, mas ele podia sentir os olhos de madeira perfurados nele.

Um estrondo, então um grito estridente, e a katana caiu no chão. O kami estava tão concentrado nele que não tinha visto a aproximação de Kaito. O monge corpulento e de peito nu levantou seu porrete dos destroços do kami, outrora belo. Como Hamano, a energia verde envolveu Kaito. O monge piscou antes de voltar para seu lugar no círculo e começar a lutar contra um kami que parecia nada mais do que uma pilha desordenada de solo escuro e musgo.

O sino tocou uma vez, alto, atrás dele. O som ecoou dentro de Fudaiju, agarrando-se à casca que os monges haviam chamado uma vez o Muro, e adentrou a Floresta Jukai. Hamano tentou concentrar-se no seu tempo de vigília. Teria sido o terceiro soar? Quarto? Hamano não sabia. Ele não podia sequer dizer se era manhã ou tarde.

Os pensamentos de Hamano foram quebrados por um grunhido de dor de Kaito. O monge tinha sido derrubado de joelhos pelo kami, que agora dominava sua presa. Hamano mergulhou, braços estendidos. Ele agarrou Kaito e rolou enquanto o kami caiu ao chão com um som como um trovão.

"Não é um abraço de mãe, mas eu vou aceitar," Kaito riu. Ele empurrou Hamano e, em um movimento fluido, agarrou seu porrete e se levantou. O monge golpeou o kami do solo noturno tão duro que sua pele se pulverizou através do campo de batalha. Enquanto o kami caia, Kaito rugia um desafio.

Hamano correu para o seu lugar no círculo. Ele rapidamente procurou no chão por seu bo, mas não viu nenhuma sinal do bastão de madeira. No lugar dele, ele pegou um facão abandonado. Hamano não tinha empunhado uma espada em meses, mas ele rapidamente encontrou o ponto de equilíbrio da lâmina. Com seu próprio grito de batalha, ele encontrou um kumo avançando.

O kami parecia uma aranha com pernas demais, mas era do tamanho de um cavalo. A larga lâmina de Hamano arrancava faíscas do couro que parecia uma pedra. Ele agarrou uma das pernas do kumo como uma foice em uma mão e girou. Hamano girou seu peso, jogando o kumo pelo ar. A coisa-aranha voou alto e distante, se chocando contra uma seção do muro quebrado. Pedaços de seu corpo ficaram presos nas teias pegajosas que pendiam em toda parte como cortinas. Hamano agradeceu a força dada a ele por Jugan, aquele que um dia foi seu guardião.

Outro dos kumo subiu de uma cortina de teia e avançou. Hamano ficou firme. Enquanto esperava, uma flecha assobiou pelo ar e afundou em um dos olhos do kumo. Ele rugiu de dor, mas continuou a sua investida. Hamano curvou-se ligeiramente para agradecer Asuka, que empunhava seu hankyu uma dúzia de passos à sua esquerda no círculo. Ela não devolveu o gesto, preferindo mandar outra flecha em um kami próximo que parecia feito de raízes e dentes.

Hamano saltou para o céu enquanto o kumo investia contra ele. Sua mão livre agarrou a flecha ainda embutida em seu olho, usando o eixo para o equilíbrio. Sua outra mão empurrou o facão para baixo, entre as placas pedregosas que separavam a cabeça do kumo de seu corpo. Fluido pulsou da ferida, e o kumo cambaleou para o lado. Hamano saltou livre quando o kami tropeçou e caiu silenciado.

Kaito estava berrando quando Hamano voltou ao seu lugar no círculo. O monge estava de pé sobre os pedaços do kami do solo noturno que antes fora seu inimigo.

Venha, venha testar meu poder, venha testar a força de ...! " O sino de Fudaiju cortou suas palavras. O som rolou através dos monges, em direção à floresta, como uma onda.

"Sete soadas! Vá para trás!" Uma voz atrás dele gritou. A voz era de Saruka, o jovem monge budoka que acabara de começar a treinar quando o assalto a Fudaiju começou.

Saruka saltou para a frente, uma figura banhada em luz verde. O jovem, com o nariz largo, sustentava no alto uma alabarda com o dobro de sua altura. Assim que tomou seu lugar no círculo, Saruka encontrou o kami de raiz que Asuka estava enfrentando. A coisa parecia uma almofada de alfinetes, sua forma irregular, agora cheia de flechas. Saruka cortou a massa nodosa com a lâmina farpada de sua arma. Enquanto atacava, ele soltou um grito para os monges de Fudaiju. Os gritos semelhantes ecoaram através do círculo enquanto os monges frescos tomaram seu lugar na vigília.

Hamano cambaleou para trás, sua vigília terminara com o sétimo soar do sino. Ele ofegou pesadamente.

"Descansar!" - berrou Kaito enquanto batia no ombro de Hamano. Kaito também lutou para recuperar o fôlego. "As horas vão passar muito rápido, você sabe bem."

Hamano examinou seus arredores. Os monges que haviam sobrevivido a esta vigília estavam se reunindo perto da base do grande Fudaiju. Alguns meditavam em silêncio enquanto outros trocavam contos. Todos olharam perto da morte com fadiga apesar do brilho que os cercava.

Seu olhar vagou. A apenas vinte passos dos monges em repouso estava o que alguns chamavam de Nova Muralha, um círculo vivo de monges combatentes que haviam protegido Fudaiju e seu sino desde que o antigo Muro havia caído há tanto tempo. Os destroços dos destroços da parede quebrada espalhava-se pelo solo, junto de kami, cadáveres e armas. Teias brancas envolviam tudo fora do círculo dos monges, restos pegajosos do kumo que fluíam sem parar para Fudaiju.

"Eu mal reconheço este lugar", ele expressou seus pensamentos em voz alta. "Eu mal me lembro de nossa casa como era."

"Bah!" Kaito bufou. "Quando vencermos os kami, poderemos restaurar Fudaiju à sua antiga glória. Estas teias de kumo darão uma seda boa, eu acho. Nós podemos começar um posto comercial digno do próprio Lorde Konda! Não é uma má maneira de financiar os nossos esforços de reconstrução, Ouvi dizer que o comércio de seda é bastante lucrativo.

- Assim como você disse antes - disse Hamano com um sorriso cansado.

"Eu disse?" Kaito piscou. Seu rosto largo abriu um sorriso. "Bem, é uma boa idéia, não concorda, Hamano? Sente-se, eu me recuso a ver você morrer porque você não pode levantar suas armas". O homem bateu no chão ao lado dele e acomodou seus amplos ombros contra o tronco de Fudaiju.

Hamano tomou seu lugar ao lado de Kaito. De seu outro lado estava um monge, rabiscando em algum tipo de pergaminho. Um diário, pensou Hamano. Por vários minutos, Hamano fechou os olhos, tentando em vão ignorar os sons de batalha em seu entorno e focar, em vez disso, nos sons de pena sobre pergaminho.

"Eles estão se tornando menos organizados", disse Hamano.

Kaito resmungou. - Talvez, mas nós também.

"Não, menores em número, não menos organizados. Há uma diferença".

"Se você diz."

Os dois caíram num cansado silêncio. Normalmente, sua brincadeira pós-vigília durava vários minutos, mas a luta tinha parecido particularmente brutal desta vez, e cansativa. Os kami estavam menos organizados do que antes. Seu assalto descarado mostrou um maior desespero em suas fileiras. Ainda assim, ele não podia negar as palavras de Kaito. Em cada vigília seu número encolhia. O que havia sido um milhar dos Budoka mais temerosos de Kamigawa, agora era menos de cinquenta.

- Quem perdemos durante a nossa vigília? Ele perguntou depois de alguns minutos.

Alguém virá e nos falará mais cedo ou mais tarde, provavelmente Naoto, se ele sobreviveu, o homem parece obcecado com a nossa contagem de corpos.

- Sim - disse Hamano, sufocando um bocejo. - Provavelmente Naoto.

Hamano percebeu que ele sentia os movimentos do sono atrás de seus olhos pela primeira vez em eras. Quando o dragão Jugan tinha morrido, ele passou sua força para os monges de Fudaiju. Sem a magia do dragão, os monges teriam morrido de fome, sede ou fadiga há muito tempo. O desejo de Hamano de dormir falava tanto do encantamento que se desgastava quanto do peso extremo que os monges haviam colocado sobre ele. Talvez ambos, pensou Hamano.

Por um longo tempo, Hamano manteve os olhos fechados em meditação, uma tentativa de tirar força diretamente da madeira de Fudaiju. Eventualmente, mesmo os sons da guerra desapareciam quando ele voltava sua atenção para dentro de si. Por um momento, ele encontrou paz.

Um grito agonizante o fez abrir seus olhos brilhantes. Uma monge lânguida chamada Yumi estava lutando contra dois kumo simultaneamente. Um dos kami havia cortado seu braço esquerdo na altura do cotovelo antes que outros monges do círculo pudessem ajudá-la. Hamano assistiu aos monges - o jovem Saruka entre eles - empurrarem para trás as enormes aranhas enquanto Yumi cuspiu sangue na terra.

"Não a Yumi ..." Kaito disse tristemente. Enquanto observavam, Yumi agarrou uma lança com sua mão restante e levantou-se insegura. Com um brilho verde em seus olhos, Yumi deixou o círculo. Ela girou a sua lança com uma mão, entrando no mar de kami. Ela logo desapareceu atrás de uma parede de teias. Eles foram poupados da visão de sua morte, pelo menos.

Os monges de ambos os lados de Yumi refizeram o círculo do Novo Muro para preencher sua ausência. Hamano sentiu um rubor de orgulho ao perceber que o corpo do kumo que ele derrotou ajudou a preencher a lacuna deixada por Yumi. Era uma coisa estranha sobre a qual sentir orgulho, ele refletiu devagar.

Hamano continuou a examinar a batalha. Depois de algum tempo, ele se virou para Kaito. – O sino já não deveria ter tocado? – ele perguntou.

Kaito deu de ombros. Parecia sombrio, um contraste com seu estado habitual. "Quem pode dizer, Kazuki. Vai tocar quando ele precisa ser tocado, ele sabe o seu dever."

- Já faz muito tempo.

"Vá ver Kazuki, se isso te ajuda a se sentir melhor", Kaito rosnou.

"Acho que vou." Hamano levantou-se rígido, dolorido. "Eu sinto muito por Yumi, Kaito. Eu sei que ela era uma amiga." Kaito acenou com a cabeça, mas não encontrou seus olhos. Hamano o deixou para entrar na câmara do sino.

Ele andou através dos monges descansando, circulando ao redor da grande árvore Fudaiju. A árvore era tão larga quanto um templo e mais alta do que os edifícios mais altos de Kamigawa. Alguns monges pontilhavam no trajeto espiral acima, uma série de nós que cercavam o tronco, procurando por um sinal de ajuda. Em anos de busca, no entanto, os olheiros acima relataram nada além de novas legiões de kami. Hamano tentou evitar que a amargura penetrasse seus pensamentos. Ele cantarolava a canção de ninar que sua mãe lhe cantava quando criança.

Após um terço do caminho em torno da árvore, ele encontrou as escadas feitas à mão que conduziam à câmara do sino. Hamano subiu as escadas cansado. No alto da escada, estava a câmara do sino, uma câmara grande o suficiente para segurar um sino de bronze do homem e seu guardião.

Kazuki sempre fora um dos mais fortes dentro de Fudaiju. Sua força era, de fato, sem dúvida a razão pela qual Rokuan o tinha escolhido para a tarefa de tocar o sino, sem titubear, desde que a batalha começara. Depois de anos no sino, seu corpo estava completamente tomado por músculos. Seus ombros largos e costas o faziam parecer um deus entre os homens. Na verdade, a luz esmeralda de Jugan brilhava dentro de Kazuki como um sol, tornando quase doloroso olhar para o homem.

"Kazuki!" Chamou Hamano, então se amaldiçoou por sua tolice. Kazuki tinha sido ensurdecido por sua tarefa há muito tempo. Ele subiu os degraus e acenou para o tocador do sino.

Kazuki não respondeu. Ele parecia sequer notar Hamano. O tocador do sino olhou para ele, imóvel. Hamano olhou por cima do ombro, seguindo o olhar do homem para o Jukai. Ele não via nada de incomum.

- Kazuki? Foi então que Hamano viu a marreta que Kazuki usava para tocar o grande sino jogado a seus pés. O pânico o percorreu.

- Kazuki, o que aconteceu? Hamano correu para o lado do homem. Kazuki virou os olhos verdes para ele. Ele parecia cego, assim como surdo, incapaz de ver o monge na frente de seu rosto.

"Ayumi..." Kazuki sussurrou.
"O quê?" Hamano ofegou. O medo apertou sua garganta. Quanto tempo o sino tinha tocado?

"Ayumi..."

"Ayumi, a Última Visitante? O que você está dizendo?" Hamano esqueceu a incapacidade do homem de ouvir suas palavras. Agarrou o grosso braço de Kazuki. Tocar o homem trouxe a voz de Kazuki como uma fonte.

"No Fim de todas as coisas, ela estará lá!" Ele rugiu.

"Sim, sim, Kazuki, nós conhecemos a profecia, acalme-se, o que está dizendo?"

"Ela estará lá para coletar as últimas folhas caídas de Boseiju!" Kazuki continuou a berrar. Lágrimas escorreram pelo rosto do monge. "Para tecê-los em pergaminho! Para sentar-se sobre o galho mais alto! Para gravar as últimas horas!"

"Sim, sim! O que você está dizendo?!" Hamano implorou.


"Ela se recordará do Fim, então sua causa poderá ser evitada quando as coisas começarem de novo!"

Hamano agarrou o outro braço do monge. Ele sacudiu o homem violentamente. "Por que você parou de tocar o sino?!"

Kazuki parecia tê-lo notado pela primeira vez. Ele piscou. Uma onda de autoconsciência passou por seu rosto. “- Ha... Hamano?” Ele sussurrou. Hamano assentiu.

"Ayumi," Kazuki respirou. "Ayumi está chegando..."

"O que?" Hamano ofegou. "Como você poderia... Quando?" Kazuki estava à deriva de novo, seus olhos ficando distantes. Hamano o sacudiu de novo. - Kazuki, quando? - gritou ele no rosto do homem.

"Ela está agora... Aqui."

Hamano virou-se. Suas pernas tomaram os degraus da câmara de sino de três em três, enquanto ele se aproximava da base de Fudaiju. "Alguém, qualquer um!" Ele se ouviu gritar. "Kazuki ficou louco! Ele parou de tocar o sino!”

Era como se Hamano tivesse batido em uma parede invisível. Silêncio. Fudaiju não enxame em batalha. Nenhuma espada entrou em choque. Nenhum grito pontilhou o ar. Nenhum kami gritou sua raiva. Nada. Silêncio. Hamano parou a meio caminho e examinou sua casa. Os monges, vigilantes e em repouso, todos haviam se reunido em uma massa para olhar para onde o muro havia estado. Kami de todas as formas e tamanhos tinham virado as costas para Fudaiju, voltados para a mesma direção. Hamano virou os olhos para seguir seu olhar.

Uma figura três vezes o tamanho de um homem estava no que fora uma vez a porta principal de Fudaiju -  e que agora, era meramente teias e detritos. Parecia uma nobre esbelta, com a pele pálida e um vestido preto que descia os ombros, braços, barriga e pernas. Seu rosto era uma máscara serena, lisa e sem traços. De cada lado de seu crânio sem pelos ramificavam-se enormes galhadas, rodeadas de dançantes esferas quitinosas.

Hamano queria perguntar o que estava acontecendo. Ele queria pedir uma explicação. Ainda faltavam-lhe palavras, como eles pareciam faltar a todos os envolvidos na luta sem fim por Fudaiju. Tudo o que Hamano podia fazer era observar enquanto a figura caminhava cuidadosamente pelo campo de batalha em direção aos monges. Ondas de kami se separaram diante dela para permitir sua passagem sem impedimentos.

Foi uma voz atrás dele que quebrou o silêncio. "No Fim de todas as coisas, ela estará lá", Kazuki disse corajosamente. Hamano virou-se, como fizeram muitos dos outros monges. O tocador do sino tinha descido de sua câmara para juntar-se aos outros, ainda brilhando como um sol verde.

"Ela estará lá para coletar as últimas folhas caídas de Boseiju, tecê-las em pergaminho, sentar-se no topo do galho mais alto e gravar as últimas horas. Ela se recordará do Fim, para que sua causa possa ser evitada quando as coisas começarem de novo ."

- Ayumi - sussurrou Hamano.

"Sim," Kazuki disse, lendo seus lábios e sorrindo. Ele pôs a mão sobre o ombro de Hamano. "Ayumi, a Última Visitante, atendeu ao nosso chamado."


Uma grande alegria surgiu no coração dos monges de Fudaiju, junto de uma celebração tão intensa que parecia agitar a árvore antiga. Hamano acrescentou sua própria voz ao som estridente. Ayumi, escriba fiel das eras, uma força que sempre existira, emanava dever e calma. Claro que seria Ayumi quem finalmente responderia ao chamado e viria em socorro de Fudaiju. Cada músculo do seu corpo emanava alegria e libertação, enquanto Hamano gritava rouco em comemoração.

Uma segunda grande celebração começou quando os kami que cercavam Fudaiju começaram sua retirada. Em pequenos grupos, os seres de além do véu tomaram seu caminho através da devastação para desaparecer na floresta. Seus movimentos eram silenciosos, quase reverentes na presença de Ayumi. Como poderiam eles ser qualquer coisa menos que reverentes, Hamano pensou vertiginosamente, ante alguém que os chamou de volta à seu propósito verdadeiro?

Ayumi entrou no meio dos monges, examinando-os calmamente. Ao redor dela, os monges pulavam e aplaudiam, rezavam e abraçavam. Hamano levantou o punho para o céu enquanto as lágrimas borravam sua visão. Alguém despenteou seu cabelo brincando.

Kazuki deu um passo à frente, e apesar do delírio dos monges, eles se separaram para ele passar. Ayumi viu a montanha que era o homem se aproximar e se virou para encará-lo. Os monges viram o gesto e muitos se ajoelharam. Suas respirações diminuíram quando observaram o silêncio entre o tocador do sino e a salvadora.

Calmamente, Ayumi atacou, com os dedos em forma de garras que não tinham estado lá um momento antes, e rasgou um grande buraco no peito de Kazuki. Vísceras caíram em Hamano quando a mão de Ayumi emergiu das costas do tocador do sino.

Como uma, as esferas em órbita de Ayumi se tomaram a forma de um ferrão curvo. Ayumi atacou outro monge, cortando-a ao meio, enquanto os orbes caíam sobre a multidão.

Tudo aconteceu em um momento. Os gritos dos Monge se transformaram em gemidos de protesto, choque, depois morte. Metade estava em pedaços aos pés de Ayumi antes que os monges pudessem responder. Uns poucos valentes lançaram um assalto que durou apenas tempo o suficiente para Ayumi se virar e garras negras estenderem de seus pulsos. Com precisão calculada, o kami majestoso cortou seu caminho através das defesas restantes de Fudaiju e ficou diante de Hamano.

O monge não fez nada. Não pôde fazer nada. Ele olhou para cima enquanto o braço de Ayumi se estendia em sua direção. Uma das garras pretas perfurou seu ombro. O sangue gotejava na ferida e manchas dançavam diante dos olhos de Hamano enquanto Ayumi o levantava para encontrar seu rosto sem traços. "Por quê?" Ele ofegou. Era a única coisa que conseguia pensar.

Ayumi o olhou sem nenhum traço de sentimento. Com algo parecido com tédio, ela torceu sua garra e Hamano gritou de dor. Ele era a última voz restante. Ele era o único sobrevivente de Fudaiju. "Por quê!?" Hamano gritou de angústia. Ele podia sentir a consciência desaparecendo.

Hamano viu o grande kami puxar seu outro braço para trás. Por um momento fugaz, a garra preta em seu outro braço apontou para ele. Então desceu.

Ayumi examinou seu trabalho e assentiu. Começara em Fudaiju, mas não terminaria ali. A Guerra dos Kami terminaria. O equilíbrio entre mortais e imortais seria restaurado. Levaria tempo, sim, mas Ayumi era conhecida por sua paciência eterna. Fudaiju foi um começo digno.


E quando ela tivesse terminado, quando ela tivesse arrancado o coração de Konda de seu peito e observado seu último movimento trêmulo, ela mostraria misericórdia. Ayumi, o Último Visitante, deixaria duas crianças humanas vivas para aprender a lição de Konda. Só então, ela decidiu, os mortais poderiam começar seu mundo novamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário