quarta-feira, 6 de novembro de 2013

5 dicas para negociar on-line...

Rafael Mattos
Olá... Depois de um período de hibernação pré e pós-rotação standard, estou aqui mais uma vez para falar de um assunto que tem me incomodado demais nos últimos tempos. Um assunto que sempre que abordado, seja na Ligamagic ou em algum grupo de MTG no Facebook, já me fez por diversas vezes ficar a um passo de clicar no botão “send”, após vociferar por algumas linhas, e me conter no último minuto com o receio de ser banido do recinto. O assunto ao qual me refiro? As negociações de Magic via Internet...

Parei para refletir sobre o tema. Veio-me logo a mente aqueles causos cabeludos onde cartas valiosíssimas eram trocadas acidentalmente por um Frasco de Veneno (e ironicamente sequer era o frasco com conteúdo mortal, para dar fim ao sofrimento da parte lesada). Podia tecer um artigo somente sobre tais causos, porém creio que o Magic é um jogo que demanda um certo raciocínio por parte de seus praticantes e, como tal, requer que detenham um certo QI para não caírem em artimanhas como essa. Mas sabemos que (infelizmente) QI não é sinônimo de QE , e que algumas pessoas acabam por se esquecer de um dos grandes ensinamentos dessa vida:


Após essa pérola de sabedoria, tentarei colocar cinco pontos que julgo serem fundamentais para o estabelecimento de uma boa negociação. São eles:


1 – Comunicação:


Se você ao receber uma mensagem perguntando algo sobre uma negociação, acaba demorando mais tempo pra responder do que o Saito demora para jogar um turno, então você deveria ser banido das negociatas pelo mesmo tempo que o japinha foi suspenso dos torneios. Se você é um workaholic que trabalha 25 horas por dia em um local onde o facebook e a ligamagic são bloqueados, e não dispõe de um celular com 3G para mandar um simples sinal de fumaça dizendo “tal carta custa x” ou “o preço de sua carta está mto caro, vlw”, então você está perdoado. Em qualquer outro caso você é o tipo de cara que todos querem evitar negociar. Comunicação é 100% da negociação. Seja educado ao perguntar algo, seja você o comprador interessado em alguma(s) carta(s) ou sendo o vendedor ofertando algum produto presente na want de um usuário. Utilize frases completas e não monossilábicas, afinal um “Boa tarde, amigo! Constatei que você possui 4 Snapcaster Mage em sua have. Se você os ainda possuir, quanto tá pedindo neles? Grato” é infinitamente melhor do que um “qnt nos japacaster?”. Aliás, não é por que seus amigos chamem o Boros Reckoner de “boi bandido” que você deve achar que o universo médiquiano tenha que reconhecer a carta por tal alcunha. Uma vez um usuário me perguntou:

- “Cara, qnt nos bovinos?”
 A minha vontade de mandá-lo para o Canal do Boi quase concretizou-se, até que respirei fundo, contei até três e respondi:
- “Boa tarde, amigo... Se está se referindo aos Reckoner, estou pedindo X em cada um, com o frete free no caso de pegar o set... Abraço!”

Acabei por negociar com ele, mas a negociação alongou-se desnecessariamente por conta de um item fácil de resolver: ao citar “bovinos”, ele estava se referindo ao Thragtusk. ¬¬

Notem como a realização de uma negociação pode ser comprometida por conta de uma simples falha de comunicação, afinal ninguém é obrigado a decifrar o que você quer dizer. Seja claro e eloqüente ao comunicar-se, evitando gírias regionais principalmente (e que me desculpem os amigos sulistas, mas tentem comunicar-se como o resto do país faz, afinal deve haver um motivo pelo qual o português seja o idioma nacional ao invés do dialeto que vocês falam por aí).

Por último nesse item, tente ser educado e polido, evitando piadinhas e comentários desnecessário. Uma certa vez, um usuário de um grupo do facebook veio me indagar o preço de uma carta. O diálogo desenvolveu-se mais ou menos da seguinte forma:

- E aí? Qnt quer nos Domri?
- Olá, amigo... 60 em cada, ou 110 nos dois...
- Porra, isso é mais caro do que leilão na Liga.
- OK, feladaputa, vai lá dar lance no leilão e acompanhar então e pare de me encher o saco..., amigo... Acabei de verificar aqui e o referido leilão está por 55 com o frete. Posso fazer com frete free e ainda te mandar de brinde algo que lhe agrade. Verifiquei sua want, e notei que você está querendo Ethereal Armor... Poderia te mandar 2 de brindes, que tal?
- Poxa cara, tem nick na Liga? Passa aí pra gente negociar por lá...

Se eu tivesse me rendido ao meu impulso de Thrun, the Last Troll, eu deixaria de efetuar uma venda. É claro que a outra parte também poderia ter evitado sendo mais educada nas tratativas, porém normalmente gentileza acaba gerando gentileza ou simplesmente encerram-se as negociações.
Mais um lembrete: Problemas todos nós temos. Seu cachorro comeu o envelope onde estavam os cards a serem enviados para aquele usuário que inclusive já te pagou? Não fique acanhado, mande uma mensagem para este usuário e deixe documentado no histórico de conversa entre vocês, que apesar do imprevisto, você está disposto a resolver ao invés de procrastinar. 

2 - Barganha, pechincha e afins


Pois é, se até o poderoso Yawgmoth utiliza-se de barganhas, imaginem nós, pobres mortais...

Desde os primórdios até hoje em dia, o homem ainda faz o que o macaco fazia: Eu tenho uma banana e quero uma maçã, que meu colega possui. Bora propor que ele me dê sua maçã em troca da casca da minha banana.

Parece um pouco drástico, mas é bem por aí que ocorre em muitas negociações. Sei que muitos aqui são dealers, lojistas e outras denominações para aqueles que ganham a vida vendendo cartchenhas. Sei também que faz parte dessa vida adquirir cards pelo preço de Abu Games e vender por preço de sites nacionais vezes a cotação atual do Euro. Assim como sei que tem gente que trabalha, estuda, tem filho, esposa e ainda tem que arrumar dinheiro para terminar aquele deck que acabou de fazer top 8 no último GP.
Mas acho que sempre pode haver um meio termo em negociações de Magic.

Se um preço está muito acima do que você está disposto a pagar, você talvez possa se enquadrar nas seguintes situações:

1-      Você é pobre, e deveria estar jogando pauper ou outro jogo. Ouvi dizer que truco é divertido, você só precisa de 40 cartas para jogar, e elas nunca rotacionam;

2-      Você está querendo pagar muito abaixo do preço que está sendo praticado hoje em dia. Talvez o referido card tenha tido um aumento repentino em sua procura (normalmente ocasionado por conta da utilização do mesmo em um deck que tenha feito um bom resultado em um torneio grande), e não haja muitas cópias disponíveis nos sites nacionais. Por tanto é tudo uma questão de estar atento ao mercado.

3-      O vendedor simplesmente valoriza muito o card em questão. Talvez ele o tenha ganho de seu avô, junto com um baralho inteiro, e o tal card já tenha dado muitas alegrias ao seu potencial ex-dono. Nesse caso, agradeça a informação e abandone a negociação, afinal o card em questão é tão querido e mimado, que pode simplesmente se desintegrar ao entrar em contato com a luz do dia após sair da pasta, onde esteve sua vida toda.

Outro ponto importante é não achar que exceções são algo costumeiro. Se um cara apareceu vendendo um set de shock lands por R$60,00, pois estava precisando de grana para completar o valor a pagar da pensão alimentícia do filho, não adianta tentar usar tal acontecimento como argumento, a menos que o vendedor em questão também se encontre na mesma situação de “vender os cards ou virar namoradinha de prisioneiro”.

Aliás, saiba quando gastar seus dedos e teclas. Se um cara postou que quer X por uma carta, e não está aberto á negociações, evite desconfortos e entreveros desnecessários. Muitas pessoas serão (injustamente ou não) extremamente rudes ao responder uma investida em uma situação como essa. Guarde seus esforços para aquele momento em que um usuário posta  o valor  de um card a venda(e você julga que tal valor possa ser melhorado), e então tente negociar com o mesmo, mas inbox ou por PMSG (onde haverá maior facilidade e maleabilidade para que haja uma negociação satisfatória para ambas as partes).

3 - Educação, etiqueta, cortesia e todas aquelas coisas que a sua avó lhe pedia pra ter...

Imagina a situação: você é um consumidor, e opta por entrar em uma loja onde o anuncio aponta em letras garrafais “temos TVs  LCD de todas as marcas”. Você educadamente indaga o vendedor sobre quais as TV’s de 42 polegadas disponíveis. O vendedor simplesmente te rebate “olha... a gente tem muitas opções aqui... você não quer me fazer uma lista com as TV’s que vc quer, e voltar aqui depois?”.


Parece ultrajante, né? Esse não é o tipo de atitude que te faz maldizer até a última geração do vendedor, e te fazer jurar por Urza que se aquela loja depender de algum centavo de seu bolso, ela irá á falência?

Mas é exatamente isso que vejo ocorrer todos os dias nos grupos do facebook, e já me ocorreu na Ligamagic por diversas vezes.

O que o jogador de Magic tem que entender, é que cartinhas tem em todos os lugares. Na mão de jogadores casuais, delaers e nas lojas internet afora, para quem está disposto a gastar um pouco mais, mas ter a segurança e conforto de que as cartas chegaram em sua casa sãs e salvas.

Toda pessoa que vem até você perguntar por uma carta, deve ser tratada como você trataria uma mulher por qual você tem interesse. Se você não cortejá-la com carinho, amor e ternura, ele não cairá no seu xaveco, e irá se entregar nos braços de outro que lhe dará as cartinhas que ela quer.

O cara quer uma listagem das cartas azuis em português e foil de Máscara de Mercádia e ilustradas pela Rebeca Guay? Perca um pouco do seu tempo, e faça a listagem. Lembre-se que cards como esses provavelmente mofariam eternamente em sua caixa de sapato (por que cards como esse sequer tem gabarito o suficiente para serem abrigados em uma pasta). Vale a pena descolar uma grana com isso, e aposto que o cliente será profundamente grato pela sua presteza e gentileza.

Mas é claro que temos o outro lado da moeda.

A pessoa tem o disparate de te pedir uma listagens de todos os grifos que você possui. Você revira todo o seu quarto, começando pelas pastas e terminando naqueles cantos mais obscuros, onde acaba achando aquele Vizzerdrix que você tinha conseguido em troca de seu Morfolídeo booster mint há 15 anos atrás. Separa os cards, digita a lista, e cota os cards com preços justos e envia para o usuário, esperando a resposta. E não obtém resposta alguma.

Cara, se você faz isso. Eu espero que você seja esquartejado pelos seus grifos, enquanto litros de merthiolate (o da época que ainda ardia) são derramados sobre sua carcaça ainda viva.

Sempre responda. E seja sincero de antemão a respeito do interesse em determinado card, ainda mais quando se trata de cards variados e difíceis de procurar. Lembre-se que um dia, o mesmo pode ocorrer com você.

Outro ponto a se destacar é a forma como abordar usuários na internet. Lembre-se que você falar com seus amigos no inbox do facebook é uma coisa, mas um usuário que você está falando pela primeira vez e com o qual deseja realizar um venda/compra/escambo deve ser tratado com um pouco mais de tato. “Bom dia”, “por favor”, “obrigado” são muito bem vindos na hora de querer tirar dinheiro ou cartinhas de alguém.

Além da polidez ao tratar os que negociam comigo, procuro sempre enviar brindes, por mais baratos que sejam. Mesmo que seja somente aqueles dois e card comuns, um de cada lado do card enviado dentro de um shield, somente para protegê-lo um pouco mais da delicadeza dos funcionários de triagem dos correios.

A conversa durante a negociação também se faz necessária. Lembre-se de sempre postar cada passo ocorrido, desde a postagem do material ou o depósito do valor referido. Importante deixar tudo documentado, seja por PMSG ou por mensagem inbox, para que não hajam discrepâncias de reivindicações no caso de algum problema ocorrido. Sem contar que é bastante chato ter que ficar perguntando toda hora coisas do tipo “e aí, já postou?” ou “e aí, já chegou?”...

4 – Caráter e hombridade:


Caráter e hombridade, duas coisas que muitos deveriam procurar no dicionário. E que deviam ser pré-requisito básico para ingressar em toda e qualquer negociação.

Infelizmente, parece que tem pessoas que acham que tal comportamento é dispensável.
Posso estar parecendo piegas, mas todos aqui já presenciaram situações como essas:

- Você está negociando com alguém e vem outra pessoa e atravessa a negociação, ofertando 10 centavos abaixo do que vc ofereceu. Comigo já ocorreu isso e por sorte a pessoa com quem estava negociando simplesmente ignorou a proposta do atravessador. Mas tal atitude é algo extremamente mal visto em negociações IRL, então não tente fazer o mesmo em negociações on-line;

- A pessoa alega que tem tal carta nas condições NM, e te manda uma carta que parece que foi usada como brinquedo por uma criança babona de 10 meses de idade. Não chegou a tal ponto, mas já enviei certa vez um card (que havia prometido enviar como brinde) e o mesmo estava SP. Mesmo sendo o caso de brinde, eu avisei o comprador, que acabou não se importando. Mas tal atitude deve sempre ser avisada com antecedência;

- A pessoa alega que tal card é de tal edição e/ou idioma, e manda (sem avisar de antemão) um card edição/idioma diferente do combinado. Eu já cheguei a me dar mal por conta disso. Negociei, entre outras cartas, um Selo da Terra com um usuário. E constatei depois, que tinha emprestado o mesmo para um jogador que morava em outra cidade. Fui na loja daqui da cidade, e não tinha o card em estoque. Peguei um Selo da Terra foil, e mesmo ciente de meu prejuízo, enviei ao usuário. Qual não foi minha surpresa quando o usuário me criticou por tal atitude, e me exigiu a devolução do dinheiro referente ao card? É claro que fiquei extremamente puto com isso, mas no fundo o cara tava certo: ele pagou por algo e recebeu outra coisa. Tive de devolver a grana e sequer pedi o card de volta ;

- Atrasar sem aviso prévio na hora de cumprir com sua parte. Já tive problemas com um conhecido usuário que simplesmente esqueceu-se de fazer sua parte, após eu ter feito a minha. O cara tinha mais de 100 referências, todas positivas, mas entrava na Liga, e simplesmente não respondia minha PMSG. Fez depois de quase 20 dias, alegando que tava com problemas em seu login. Lembrando que uma negociação só termina quando ambos trocam referência, portanto não deixe de qualificar a negociação. A propósito: é muito broxante você gastar o vocabulário com elogios na referência, e receber somente um “GT” em resposta;

-Nem seria preciso citar, mas deixar de cumprir sua parte em uma negociação te faz ter um acesso direto ao mundo governado por Yawghmoth ou Erebos. Urza não perdoará tal atitude de um jogador. Você merece a morte lenta e dolorosa no:


5 - Paciência e coerência:


Como já “cantava” Axl Rose, devemos ser pacientes. E praticar a paciência on-line (o estado de espírito não o jogo que sua tia joga no tablet) é uma virtude. Se você consegue tal feito, erga as mãos para os céus e agradeça a Urza por tal dádiva.

Pois bem, você está lá todo pimpão, navegando no facebook quando de repente depara-se com um anúncio de um card, cuja o preço que está sendo anunciado está com a inflação, IOF, INSS, INPE, IBOPE e IPVA embutidos. Sei que é difícil conter a vontade de ir até a postagem e explicar ao indivíduo que você não é americano ou europeu, não possui uma renda per capita de país de primeiro mundo, e vive em um país que possui um dos boosters mais caros do universo. Mas o que você ganharia com isso? Se acha que o usuário lerá suas explanações e se converterá para o lado vermelho socialista da força, poupe seus esforços. O máximo que irá conseguir é um bando de brodinhos empunhando a bandeira do “O card é dele, o preço é dele”.

Sempre tem outra pessoa com um card igual, querendo vender por menor preço. E no fim das contas, sempre tem uma loja online com o card em estoque.

E para você que usa argumentos como “preço de loja, eu compro em loja” ao postar anúncios de interesse em compra, tenho uma dica para você: Vai comprar na loja, meu caro. Afinal ela tem funcionários esperando para serem pagos com o dinheiro de sua compra. Comprar de jogadores que irão normalmente usar o dinheiro para comprar cards de outros jogadores (ou repor o dinheiro de outras áreas, utilizado com o MTG) é tão década passada. Aliás, a loja não se importa se você tem um discurso ensaiado toda vez que vê um preço próximo do preço de uma loja, pois afinal ela já é uma loja. Se você não comprar dela, outros comprarão.

E você que utiliza preço de leilão como referência, tenho a seguinte dica: Faça uma conta na Liga, dê lance no leilão, acompanhe o leilão em questão, torça para que seja um leilão sério (onde amigos do leiloeiro não dão lances próximo do encerramento do leilão) e pague o frete. Repita esse processo até completar o set de cards que você deseja. O seu lugar não é nas comunidades de Magic ou nos bazares alheios da Ligamagic: seu lugar é acompanhando leilões onde o Magic tem seu preço justo, e onde o frete sempre existe e o comprador sempre faz sua parte primeiro.

Lembro sempre de uma máxima: "Se não tens nada de bom para falar, então cale-se..."

Se o mesmo fosse usado no mundo do Magic (exceto as troladas, mas isso é permitido) o ambiente entre players e pseudo-dealers seria muito mais harmonioso.

Bom pessoal, sei que o texto ficou muito longo, mas achei que a comunidade de Magic necessitava de um texto com tal abordagem.

Não fiz com tal intuito e nem gostaria que tal texto fosse uma bíblia das negociações (afinal não sou o dono da verdade), e sim fizesse alguns refletirem acerca de seus comportamentos ao negociar on-line.

Está aberta a discussão

Rafael Mattos

Nenhum comentário:

Postar um comentário