sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Observações, previsões e outros.


Danilo Paoliello
Toda nova edição eu procuro os elementos básicos para fazer o melhor independente do quanto a sorte sorrir nos 6 pacotinhos do pre-release.

Em M14 tive a sorte de vencer no domingo contra menos de 16 oponentes, uma competição pequena e no sábado fiquei em 6º contra 26 oponentes, algo um pouco maior.

Em Dragon´s Maze fiquei em 5º no domingo contra 31 jogadores.

Então, tenho uma forte convicção que além da minha conhecida sorte, meu método contribui para os resultados, isso posto, o que pude perceber em Theros é a quantidade de habilidades específicas da coleção e como elas influirão de forma completamente diferente do que nos habituamos após 3 edições em que a combinação específica de cores comanda as habilidades e uma edição básica sem habilidades específicas.


No bloco passado conseguíamos constantemente usar as habilidades de nossa guilda e isso influía na construção do deck, porém sem que necessitasse da construção em torno da habilidade, todo design da edição fora feito pensando na construção de decks em torno das habilidades, então esse trabalho não ficava a cargo do jogador, no selado ele precisava de uma pool boa da sua guilda, por isso os boosters específicos.

Em Theros pouco vai importar quais cores se misturam bem na sua pool, mas vai importar como você enxerga os fundamentos das habilidades e do jogo e, principalmente, construir em volta das habilidades da edição.

Nesse aspecto, me parece que a maioria dos bons decks será ramp, para quem não conhece a expressão, ela designa um deck que quer alcançar a maior quantidade de geração de mana no menor tempo possível, sem perder land drops e aumentando em mais do que 1 por turno a geração de manas no seu lado, com artefatos, criaturas, qualquer efeito de habilidade.

Essa impressão se deve ao alto custo de duas habilidades da edição presentes em todas as cores, Agraciar e Monstruosidade, ambas bastante caras em termos de mana. Incluo aqui uma previsão pessoal, Agraciar será a mecânica mais efetiva, principalmente no pre-release e nos primeiros drafts, pois muitos jogadores manterão uma mentalidade de que Auras são o famoso 2x1 contra ou usarão suas cartas como simples criaturas pelo baixo custo, sem preparar seus decks para aproveitar a habilidade.

Isso posto, como construir um deck de selado baseado na habilidade agraciar?

O custo de mana a ser considerado para qualquer carta com esta habilidade é o da habilidade e não o da carta, assim, você será capaz de adequar suas outras criaturas a uma curva que possibilite tirar o maior proveito da graça, tornando uma aura um 2x1 a favor.

Além disso, Agraciar tem forte empatia com Heróico, afinal toda aura dá alvo, são muitos efeitos positivos e muita sinergia, prepare seu deck para isso e usufrua dos benefícios de utilizar muita mana para algo.

Isso nos leva a ideia de card advantage e...

Vidência versus compra...

É, nessa edição temos poucas cartas que tem o texto direto: compre X cartas e cinco delas são auras que basicamente só tem isso escrito, acrescentando pouco a qualquer deck.

Portanto, os controles continuarão em dificuldades, pelo menos no formato limitado, já que uma de suas mais necessárias ferramentas é o card advantage. Em substituição eles terão a oportunidade de filtrar suas compras, o que na opinião de especialistas vale 0,5 carta, ou seja, tanto quanto uma ficha, faça você seu juízo de valor e boa sorte se for jogar no modo controle.

Noves fora, o flavor de Vidência numa edição com as profetizas e uma carta chamada Sibila é algo inenarrável, só alegria para quem gosta e entende algo de mitologia greco-romana.

Devoção!!!

Essa regra é incrível, muito divertida e extremamente estratégica, não será incomum o feliz proprietário de um deus declarar o ataque e mentalmente já contabilizar o dano no oponente ou a morte de uma criatura bloqueadora, regozijando-se com sua indestrutível permanente, quando o adversário, instantaneamente eliminará aquele quinto ponto de devoção de uma criatura qualquer e pronto, ser atacado por um encantamento lendário não causa dano nem qualquer efeito colateral e o mantém virado, caso na segunda fase principal venha algo da mão que altere a contagem de devoção. Lindo!

Esse será o problema dos deuses no selado, não é fácil alcançar e manter 5 pontos de devoção em um deck que não se pode escolher as cartas, a construção mesmo que seja dedicada, portanto em volta da devoção, será bastante limitada.

Por outro lado, existem outras cartas que usam a contagem de devoção e delas se pode tirar maior proveito, mesmo que não atinjam a qualidade possível no Construído.

Avaliação

Os planinautas são o que sempre são nesse momento: caros!!!

Serem bons é algo que só saberemos em meados de outubro, afinal uma carta é boa quando vê jogo de alto nível e nesse quesito minhas atenções estão voltadas para o Ashiok.

Ele tem habilidades estranhas, a primeira não te dá vantagem clara, mas ganha jogo, afinal quantos U/B não saíram vencedores com Brejo de Nefália, a segunda é condicional, mas nos habituamos a dizer isso sem pensar no que está acontecendo no entorno, ou seja, no meta.

Criaturas são o espectro dominante e cada vez mais resiliente do jogo, também estão se tornando mais baratas e poderosas e não é raro encontrarmos decks de 25+ criaturas com o topo da curva no 5, o que significa em alguns casos (raros) que esse planinauta vai fazer por você o melhor do deck adversário no seu quarto turno e que em outros (mais comuns) ele vai fazer por você uma criatura barata e continuar vivo, o que equivale ao provavelmente muito bom Xenagos.

Aliás, que tradução! O orgíaco! É bom que as mães e esposas não se interessem pelo nosso hobby.

Elspeth deve ser respeitada, Garruk já mostrou que um planinauta na curva 6 não é impossível de ver jogo e não vejo ela muito distante dele.

Isso posto, por mais afeto que você tenha ao seu planinauta recém aberto e com cheiro de booster, venda. Caso não esteja convencido faça o seguinte exercício: abra qualquer site que tenha cotações de Magic, por exemplo, www.starcitygames.com, procure pelo melhor planinauta das edições no Standart, caso você encontre algum com o preço de Ashiok, Elspeth ou Xenagos você tem razão, caso contrário, acredite em mim (não esqueça que Liliana não estará no Standart na semana que vem).

Outro card que eu entregaria de bom grado ao dealer local é o dragão mítico, ele não é um Thundermaw para valer mais de R$ 50,00, pode ver muito jogo, ainda mais com a ascensão recente do MonoWhite no MOL, mas ainda está num preço de alta demanda e baixa oferta, não esqueça que abriremos muito Theros, possivelmente, até mais do que RTR e INN, portanto cuidado.


Por outro lado, meus alvos de especulação são Heliode e o Cérberus mítico, ambos na faixa de R$ 20,00 e com potencial.


Nenhum comentário:

Postar um comentário