terça-feira, 25 de junho de 2013

Ressaca de um Campeão



Paulo Henrique

E ai galera, não esperava estar escrevendo este artigo de campeão da Liga Arena em apenas  um ano e meio que voltei a jogar Magic (mesmo não tendo jogado competitivamente antes disso), por que sei do alto nível do jogadores da liga e por isso até agora estou surpreso. 

A escolha do meu deck para o dia do torneio começa um dia antes do torneio.

Isso mesmo, caro leitor, você não leu errado. Escolhi meu deck um dia antes. Para ser mais específico, a escolha foi feita algumas horas antes do torneio, quando voltei de viagem á Minas na sexta-feira e acabei só indo na loja no sábado para treinar um pouco, e acabei vendo que o meu deck estava forte mais todos já esperava enfrenta um R/G agroo e não sei por que mesmo vendo que era um deck bom sentia que faltava algo nele que só o meu monored poderia proporcionar. Acabei comentando para o Juninho (Cavaleiro Morto, na Liga) e o Ricardo (Arquivo Morto, na Liga e um dos donos da loja) e eles falaram que a boa era eu ir de monored mesmo por ser o deck que eu estava acostumado a jogar, tendo inclusive ganhado um game day com ele, mesmo assim acabei por testar o R/G.

Neste sábado (véspera do torneio) aconteceria o aniversario de um dos nossos jogadores, outro dono loja e amigo Danilo na casa de João “escandalosamentesexy” Lelis  (e, diga-se de passagem,  quem não foi perdeu), com muitas risadas e varias conversas para tirar aquelas últimas dúvidas sobre do que jogar  e como draftar (top 8 seria no formato draft de DMZ) no outro dia, e acabamos fazendo um draft no churrasco de quem tirasse carta acima de 20 reais tinha que toma uma dose de pinga. Muitas doses e alguns jogos depois, Chico e eu resolvemos jogar valendo cada derrota uma dose de pinga e caso o jogo chegasse no 6º turno (por ser RG contra o American) já que o Lelis tinha proposto que usássemos os decks T2. Conclusão: 6 doses de pinga sem ganhar nenhuma partida percebi que o deck não era tão bom. Vim embora pensando nisso e chegando em casa as 6:00 da manha resolvi mudar o deck para o monored e vi que o deck fico mais do meu jeito que o outro, e na minha opinião o deck não tem que ser só bom, ele apenas tem que jogar do jeito que você gosta. A lista ficou assim:



Mono-Red. By- P.H

Deck.

Creatures (30)

4- Boros Reckoner
4- Nobre Stromkirk.
3- Alvanel.
3- Emissário da Árvore Flamejante.
3- Esmagador dos Relâmpagos.
4- Rakdos Estridente.
4- Zelote das Cinzas.
3- Hellrider.
2- Dragão Avérneo Trovejante.

Spells (10)

4- Lança Cauterizante.
2- Quebra-crânio.
4- Pilar de Chamas.

Terrenos.

2. Cresol de Avernais.
18- Montanhas.

Sideboard

2- Jaula do Escavador de Túmulos.
3- Morteiros de Mizzium.
1-Ato de Blasfemo.
1-Hellrider.
2- Quebra-crânio.
2- Eletrotruque.
2- Golpeador Punho de Fogo.

2- Força Vulcânica.


Então resumindo: a escolha do meu deck foi graças as doses de pinga que tomei perdendo com o outro.
#chupaPróPlayer #ChupaBaby
Chego na loja ás 10 horas, após ter dormido apenas 2 horas e meia e com uma ressaca que só terminaria segunda de noite. O torneio começou ás 11:00 e de cara na primeira partida eu já enfrento o ultimo campeão do semestre, o Danilo, e como sempre um jogo bem divertido e com boas risadas ainda mais que o Chico e o Dan estavam jogando do nosso lado não lembro direito das minhas partida com o Danilo por que ele passou o carro (com um GW que só sabia por fichas e ganhar vida), não dando nem tempo de eu sequer tentar fazer alguma coisa. Mas o que mais me tirou a atenção da partida, foi a jogada do pró-player Chico (o mesmo que tinha disputado o jogo da pinga comigo) ao jogar um Pillar of Flames numa criatura 2/3 sendo que ele tinha acabado de ler a criatura.

Segunda rodada, e enfrento Aaron com um deck que já me deixou triste quando tomei o primeiro (de muitos) Fog efects, com a própria carta que dá nome ao deck (um momento de nostalgia, ao me fazer lembrar o meu início no Magic), mas fiquei assustado pois como eu ganharia de um deck que me impede de dar dano de combate? Minha resposta veio logo em seguida ao meu próximo draw: Hellrider, que acabou finalizando a partida em 2x0 para mim...

Terceira rodada, enfrento mais uns dos amigos que fiz neste um ano e meio em que voltei a jogar, Aloyr (e seu Grixis Control, de sua própria autoria como de costume), estando os dois 1-1, acabou sendo um jogo divertido e com erros dos dois lados(causados pela ressaca) mas graças ao bom Urza, consegui ganhar deste outro forte concorrente.

Na minha quarta rodado pego mais um dos ex-campeões da loja, o meu primo Ricardo. Ele é um dos responsáveis por eu estar escrevendo este artigo hoje, pois foi ele que um ano e meio atrás, uma semana antes de inaugurar a loja me convenceu a voltar a jogar. Dito isso, só tenho a agradecê-lo por me lembrar como este jogo pode ser divertido e como a gente consegue fazer novos amigos jogando magic e bebendo depois ou durantes as partidas.

Primeira partida, abri a God hand, curvando todo turno e fechando a partida no quarto turno.

A segunda partida acabei perdendo, com ele começando e controlando o jogo rapidamente com planinautas e remoções finalizando de Eterídeo. Mas a terceira foi a melhor e mais gostosa partida do dia inteiro para mim.

Depois de vários bichos e ataques acabei tomando um Sphinx's Revelation para 3 no fim do turno em que eu tinha deixado ele com poucos pontos de vida, pensei comigo o que aqueles draws poderiam dar de bom para ele, e em seguida acabei colocando no campo mais 2 bichos e só depois de ver a merda que tinha feito pensei em como Urza me puniria por minha burrice, pois com certeza viria um Veredito na volta. Mas Urza estava comigo e só tomei 2 pillar em dois bixos, me deixando mais aliviado e os meu ataques continuaram até o momento de eu tomar mais uma Sphinx's Revelation (agora para 4), mais desta vez eu tinha um Quebra-crânio para responder, e eu com meus 2 Vindice atacando todo turno e eu apenas com 2 cartas na mão ainda uma Lança Cauterizante e um Mizzium Mortars. E para minha surpresa não veio o Veredito então continuo os ataques com os Vindice quando penso que vou vencer ele me joga snapcaster pra block e fazendo o recapitular de um Sphinx's Revelation agora para 5, que deu para ele 5 cartas que não eram mass removal. Dessa forma os Vindice continuavam sua investida e, depois de 2 turno, novamente um snapcaster pra block e de novo Sphinx's Revelation agora para 7. Enquanto isso eu só comprando terreno e bichinhos que morria para Pillar. Agora pensei comigo ele vai limpa minha mesa e quando percebo que a mesa do lado os jogadores Dan e Casssasanta, estavam mais prestando atenção na nossa partida do que na deles, percebi o quanto o jogo realmente estava cheio de reviravoltas. Então depois deste último Sphinx's Revelation, ele fez 2 Angel Restoration um dando block em um Vindice e outro bloqueando o Rakdos Estridente e o outro Vindice tomou um Amuleto Azorius. Redirecionei o dano do Vindice  deixando ele com 8 de vida e eu ainda com 20. Nesse momento pensei que não voltaria para a partida. Quando no turno dele ele me ataca com os anjos e passa, eu compro o meu Víndive que estava me esperando no topo, pensei mantive ele em minha mão, e tentei o Mizzium Mortars com overload. Sorri ao ver que o mesmo não foi anulado, matando os anjos dele.

Então no turno dele ele faz o Eterídeo e passa. No meu eu faço o Vindice e compro um terreno pensei o quanto Urza me odiava, pois ele tinha o block eterno do Eterídeo e sem eu poder redirecionar o dano de combate no oponente. Ele me ataca com o bixo, deixando o imbloqueável e depois dá phasing nele e passa, deixando o bixo em pé novamente (ui!). Pensei no que poderia me salvar naquele momento, e lembrei do bixo que me salvou no segundo jogo, e adivinha o que o topo me trás? Hellrider! Baixo e ataco com o Vindice e com ele, então o Ricardo da block no Hellrider tomando 5 de dando no total 3 do Vindice e 2 da habilidade do Hellrider e apenas mostrei a lança que estava segurando desde o início do jogo e consegui finalizar o jogo mais tenso do campeonato tremendo mais do que vara verde

Quinta rodada como eu já tinha 9 pontos e com 10 dava para passar pro top8, Brock e eu que fomos sorteados para jogar a quarta partida, estando os dois com 9 pontos, resolvemos splitar para os dois conseguirem a vaga para o top8.

Juninho uns dos ex-campeão da liga, e conhecido por ser um ótimo jogador de limited, veio até a gente e deu uma boa dica sobre o draft: focar em uma cor e depois ir pegando cards de outra cor, pois os decks de 3 cores acabam sendo menos consistentes do que os de duas cores . Tendo isso em mente, decidi focar em boros ou selesnya

O top 8 foi formado por: Baby, Julio, Juninho, Brock, Eu, Igor, Ricardo e Matheus;

Então a mesa foi formada e logo em meu primeiro pick eu esqueço por completo meus planos de jogar de Boros ou Selesnya ao abrir um Barão Sangrento de Vizkopa. então Quando em meu segundo pick me vem um Herdeiro de Vitu-Ghazi, o que já me deixaria focado em Orzhov, mas quando no terceiro e quarto picks vem dois Sugador de Dízimo eu já estava vestindo as cores alvinegras (apesar de ser são paulino). Mas no quinto pick veio a carta que me fez ganhar uma boa parte de minhas partidas: Dívida com os Sem-morte.

A minha lista terminou dessa forma:

1-     Barão Sangrento de Vizkopa
1-     Herdeiro de Vitu-Ghazi
2-     Sugador de Dízimo
1-     Dívida com os Sem-morte
2-     Vilão do Beco da Ruína
1-     Impositor do Sindicato
2-     Recuperação da Meia- noite
1-     Monstro da Jurisdição Seis
1-    Grifo da Espiral Solar
1-    Guardas da Basílica
1-    Síndico dos Dízimos
1-    Contatos no Submundo
1-    Fadiga / Aflição
1-    Pégaso de Concordia
1-    Julgamento de Trostani
1-    Festa de lançamento
1-    Controle de Tumulto
1-    Flecha da Vingança
1-    Meneio do Executor
1-    Ratazana Elusiva
1-    Lucro / Perda
1-    Portão da Guilda Orzhov
8-    Pântanos
8-    Planícies.

TOP4
E depois do deck escolhido vamos pra primeira rodada e de cara mais um ex-campeão da liga arena: Juninho, o cara dos conselhos sobre draft.

E de cara pego outro orzhov mais com splash para azul, e na minha primeira mão não podia fica mais feliz ao sair com o Barão e seu pró-black e pró-white. O Barão fez sua parte nos dois jogos, e acabei ganhando por 2x0.

Muito feliz com o meu deck e na segunda rodada pego o Baby. E então o Rato, que tinha acabado de ver os decks da outra semi-final (cheio de bombas como Primordial vermelho, Ruric Thar entre outros) veio nos dizer que a gente tava disputando o segundo lugar. Sobre a partida contra o Baby só tenho uma coisa a dizer: #chupababy. 2x1 para mim sem problemas, finalizando de Dívida com os Sem-Morte.

Agora estavam na final eu e o Brock, que tinha acabado de eliminar o Julio outro ex-campeão da Liga (#chupajulio). Eramos dois jogadores que jamais havíamos chegando na final da Liga, assim eu já estava feliz por ter chegado tão longe e ficaria feliz mesmo se ele ganhasse pois meu objetivo já esta cumprido (terminar em posição que valesse premiação em dinheiro). E ficaria feliz em ver mais um amigo campeão.

Mais Urza surpreendeu todo mundo com os meus 2x0 no Brock e suas bombas roubadas. Fora o Dívida com os Sem-Morte que foi fundamental mais uma vez.
Final

Desculpa a falta de detalhes nas partidas do top8 pois o estado alcoólico que fiquei depois não me permitem lembranças com muitos detalhes.

Abraços a todos que torceram por mim.

E pra quem não torceu #chupababy, aqui é “Putim” e “nois que voa bruxão”.




Um comentário:

  1. Curti sua lista de monored, viu?

    Aqueles Skullcrack no main resolve problemas contra Sphinx revelation e Bant auras sem ser dead card contra outros decks. Boa ideia trazer isso pro T2!

    E Vizkopa é uma carta forte, não digo nada se subir de preço pós-rotação.

    Parabéns, PH!

    ResponderExcluir