terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Jace Beleren

Jace Beleren
Chico
  



Traduzido por: Chico 


    Jace Beleren é um planeswalker humano incrivelmente inteligente e usuário da mágica azul, dono de habilidades como clarividência e ilusão. Seu talento inato, no entanto, é a arte da telepatia, que o faz especialmente único através do multiverso. Jace é reservado e depressivo, além de ter uma mente perturbada, devido à duras escolhas feitas no passado.

Adolescência

    O inigualável dom para a telepatia se manifestou em Jace logo nos primeiros anos de sua vida, assim como o imenso constrangimento por parte de seus pais. Assim, seu pai buscou a ajuda de um mago local conhecido como Alhammarret. O mago adotou Jace, tomando-o como aprendiz. Ali Jace passou anos aprendendo novas magias desenvolvendo suas aptidões, e o mais importante, se sentindo bem-vindo pela primeira vez em anos.

Sem muita demora, Jace se tornou poderoso o suficiente para testar suas habilidades contra seu mestre, e aí foi que ele descobriu a espantosa verdade sobre sua existência: sua centelha havia se inflamado há mais de um ano. Certa vez ele fora tragado para as profundezas da eternidade cega por um breve momento, e Alhammarret mentira dizendo que eram apenas suas ilusões saindo pela culatra, e que aquilo não era digno de preocupação. Secretamente, o mago dissera ao pai de Jace o que realmente havia acontecido, e juntos decidiram não contar nada ao jovem.

Jace fervilhara por dias frente à descoberta, tentando conter sua índole dentro de seu coração, até que finalmente, durante uma de suas sessões práticas, Jace irrompeu! Num lapso, penetrou em sua própria mente, libertando toda sua fúria e dor de uma só vez, destruindo por completo a consciência de Alhammarret. Jace partiu. Era um proscrito, sua cabeça a prêmio em qualquer lugar dentro de centenas de quilômetros de sua cidade natal. Jace apagou suas próprias memórias, para que nunca mais tivesse que se lembrar do rosto de seu professor, e sentir a pesada culpa sobre o que fizera.

Agentes do Artífice
 
      Em Agents of Artifice Jace desfrutou de uma vida confortável em Ravnica por algum tempo. Ele vivia nos altos escalões da sociedade, e ganhou dinheiro primariamente com o correio negro, usando sua telepatia para extorquir segredos dos endinheirados. Certa vez, enquanto conduzia seus negócios Jace foi atacado por criaturas invocadas por membros do Consórcio Infinito. Após alguma pesquisa de campo Jace enfrentou o mestre do Consórcio, Tezzeret, descobrindo que os ataques eram, na realidade, “convites” para Jace se unir à organização de Tezzeret. Com alguma hesitação Jace concordou, iniciando o treinamento com Tezzeret para aprimorar sua telepatia para o uso do Consórcio.

Jace se tornou parceiro de um mestre das lâminas chamado Kallist, que por coincidência se parecia muito com Jace, e juntos eles começaram a treinar um ao outro em suas próprias especialidades entre uma e outra missão. Depois de alguns anos Jace começou a notar o quão negativamente as atitudes do Consórcio lhe afetaram, e passou a se sentir culpado (ironicamente) por nunca ter se sentido culpado de nada que fez em nome do Consórcio. As coisas se encaminhavam para um fim quando uma missão em Kamigawa terminou no massacre de um vilarejo Nezumi. Como punição Tezzeret espancou Jace brutalmente por falhar, apesar de Jace não ter cometido nenhum erro durante todo o trabalho.

Logo em seqüência um agente de Nicol Bolas, o mestre original do Consórcio Infinito e principal rival do então líder da guilda, contatou Tezzeret durante uma disputa de mineração num plano desconhecido. Tezzeret arranjou um encontro com o dragão em um plano ártico e levou consigo Jace, para garantir que Bolas não tentasse sondar sua mente. Jace acabou se distraindo com o dragão, que administrava duas conversas, com ambos. As defesas de Jace, que não haviam sido nem sequer testadas, cederam perante a investida de Bolas. Depois de fugirem para salvar suas vidas das forças de Bolas, Jace sucumbiu ao frio e perdeu um dedo do pé. No entanto esse foi o menor dos seus ferimentos, pois Tezzeret torturou Jace, utilizando sua lâmina de mana, por ter falhado, independentemente de sua inexperiência ou da enorme diferença de poder entre ele e Nicol Bolas.

Finalmente a apreensão de Jace para com os métodos e a sede por poder de Tezzeret havia crescido. Após recusar uma tarefa que ia contra sua natureza ele, por fim, se livrou das graças de Tezzeret. Jace levou consigo Kallist e partiu para os ermos de Ravnica, na esperança de escapar da fúria do Consórcio. Enquanto tentavam permanecer à surdina a dupla conheceu a amável necromante Liliana Vess, que flertou infinitamente com ambos, acabando em um romance envolvente com Jace. Sem o conhecimento de Jace, e com o coração na mão, Liliana revelou ao Consórcio o paradeiro de Jace e Kallist. Em uma medida desesperada de salvar a sua vida e de seu parceiro, Jace tentou absorver a mente de Kallist e trocar de corpo com o assassino, mas falhou.

    Seis meses depois, “Jace” no corpo de Kallist morreu, e sua mente retornou a seu corpo original, causando um trauma extremo à psique de Jace. Liliana o levou consigo para recuperá-lo e insistiu para que ele fosse atrás de Tezzeret, por causa da morte de Kallist. O resultado foi Jace e Tezzeret conspirando um contra o outro, Tezzeret com intenções de matar Jace por insubordinação e imprudência, e Jace apenas querendo ver-se finalmente livre de Tezzeret e do Consórcio. Jace procurou a ajuda de Nicol Bolas para localizar o sacrário de Tezzeret, e junto à Liliana planejaram a invasão à base do artífice. Por fim o ataque falhou, Jace foi capturado e Liliana se revelou uma traidora. Tezzeret passou meses construindo um artefato capaz de controlar a mente de Jace sem afetar suas habilidades, nesse meio tempo Jace foi violentamente torturado pela piromante Baltrice. Liliana aproximou-se do cativo Jace, tentando explicar os motivos pelos quais ela fez o que fez. Ela se importava sinceramente com Jace, tanto que o ajudou a escapar. Juntos eles tentaram mais uma vez destruir Tezzeret. No duelo final entre o artífice e o ilusionista, Jace apagou a mente de Tezzeret, deixando o Consórcio sem líder. Jace jurou a si mesmo que dali em diante ele iria ajudar Liliana sempre que pudesse.

Posteriormente foi revelado que Jace, apesar de sua hesitação, assumiu a filial do Consórcio Infinito em Ravinica, por falta de melhores opções no momento em questão.


O Fogo Purificador

      Em algum ponto durante o primeiro ano de Jace trabalhando para o Consórcio, ele foi recrutado para recuperar um pergaminho roubado por Chandra do Santuário das estrelas, em Kephalai. No entanto, sua missão também incluía apagar todas as memórias relativas ao pergaminho da mente da piromante, não a penas trazê-lo de volta. Ele a rastreou até o monastério Fortaleza Keral, onde ele confrontou a garota. Após uma breve batalha Jace cumpriu seu objetivo e se foi.


Zendikar


 
      Três anos depois de ter recuperado o Pergaminho do Dragão de Chandra, o interesse de Jace por ele foi instigado uma vez mais, por uma razão desconhecida. Com a “ajuda” de Garruk, Jace logo decodificou a localização do pergaminho: Zendikar. Logo em seguida ele seguiu o rastro fresco de Chandra, contratando um guia para fazer a travessia pelas montanhas de Akoum. Utilizando-se de suas habilidades com ilusões para se manter seguro, ele e seu guia logo encontraram o decrépito Anowon, que atacou Jace e matou o guia traiçoeiro. Subjulgando Anowon, Jace se livrou das informações vistas na mente de Anowon e convenceu-o a atuar como seu guia até o Olho de Ugin.

Chegando ao Olho, uma parede deslizou até o chão, separando os dois. Anowon gritava avisos que chegavam até os ouvidos de Jace. O que Jace, para sua surpresa, encontrou foi um enorme dragão lutando contra Chandra, que estava sendo duramente forçada a continuar a batalha. Jace imediatamente ofereceu ajuda, mas foi atordoado, causando o mal-funcionamento de uma de suas magias, que foi absorvida por um dos Edros flutuantes . Agindo por intuição, Jace disse à Chandra para tentar fazer um “fogo que não pode ser visto”, e fazendo-o Chandra derrotou Sarkhan, deixando inconsciente todo o restante do grupo. Chandra foi a primeira a acordar, e recobrou a consciência de Jace antes de partir, deixando o ilusionista a pensar quem estaria manipulando a dupla para que seus caminhos tivessem se cruzado de novo.

Chandra indo embora, não havia razão para que Jace continuasse no Olho. Tendo completado (um tanto catastroficamente) seu objetivo, ele vagou pelas cavernas e se questionou mais uma vez como os três planeswalkers (ele, Chandra e Sarkhan) vieram parar no mesmo lugar ao mesmo tempo. Apesar de sua ignorância em relação ao plano e ao Olho, Jace não pode deixar de notar que algo estava em andamento, e que ele estava envolvido. Resolveu informar os sábios do Portão Marinho, em Halimar, sobre os acontecimentos, mas antes que ele pudesse deixar o labirinto Anowon retornou querendo saber o que havia acontecido. Antes que Jace tivesse a chance de responder, Anowon partiu para o coração do Olho falando sozinho. Sem um guia, Jace direcionou seus esforços para encontrar uma cidade próxima e adquirir uma montaria. Sem perder tempo ele iniciou sua jornada de volta. No caminho uma enorme prole dos Eldrazi o atacou, transformando a montaria de Jace em pouco mais do que poeira, e deixando intacta a imagem mental que o ilusionista havia criado de si mesmo. Jace finalmente chegara a um navio e daria continuidade à sua jornada.

Duas semanas depois, Jace consultou uma arquivista no Farol de Halimar. Ele aprendeu um pouco sobre os Eldrazi, mas se sentiu pouco sábio para tal conhecimento. Ele relatou os eventos de sua aventura para ela, e decidiu descobrir onde Chandra havia encontrado o pergaminho. A arquivista tritã implorou para que Jace retornasse se ele descobrisse algo. Jace partiu sabendo que iria compartilhar tudo que ele viesse a saber.


Teste de Metal

      Possuindo todo o conhecimento sobre a vida de Tezzeret, Jace arquitetou uma série de armadilhas para tentar localizá-lo, pois sabia que ele havia sobrevivido.

Quando Tezzeret caiu em uma das armadilhas em Esper, Jace e Baltrice foram alertados e foram encontrá-lo. Tezzeret tomou a vantagem ao infectar Jace com um mecanismo etéreo que o privou de todas suas habilidades, inclusive viajar pelos planos. Tezzeret prometeu remover o mecanismo assim que Baltrice o ajudasse a encontrar a esfinge conhecida como Crucius, o Louco.

O mecanismo foi removido mais tarde por Nicol Bolas, como parte dos planos de Tezzeret, e uma vez liberto, o mentalista e o artífice retomaram mais uma vez sua guerra particular. Bolas chegou a interferir mais uma vez, sem o conhecimento de Jace, enviando Tezzeret para Mirrodin.


Trivia

·    Jace pode ter passado um indeterminado período de tempo no plano de Lorwyn durante o tempo da Aurora, estudando a natureza peculiar das coisas dos sonhos naquele mundo. Nesse acontecimento hipotético ele teria tido um breve encontro mental com Ashling, do povo da chama, no entanto ela nunca teve consciência de sua presença.
·    Em Julho de 2011 a carta Jace Beleren lançada primeiramente em Lorwyn foi reimpressa pela sexta vez, com um total de quatro artes diferentes: Duel Decks: Jace VS. Chandra, o card promocional que acompanhava Agents of Artifice em lojas selecionadas, e uma ilustração especial feita para uma impressão em japonês do Duel Decks: Jace VS. Chandra.







Nenhum comentário:

Postar um comentário